“O Culto da Família”


por AW. Pink

Há algumas ordenanças muito importante de vida e meios de graça que são claramente implícitos na Palavra de Deus, mas para o exercício da qual temos pouco, se alguma, pura e positivo preceito, mas sim que nos resta para reuni-los com o exemplo de homens santos e de várias circunstâncias incidentais. Um fim importante é atendido por este acordo, julgamento é, assim, fez do estado do nosso coração.

Ele serve para evidenciar se, porque uma ordem expressa não pode ser trazido exigindo o seu desempenho, professando cristãos que negligenciam o dever claramente implícito. Assim, mais do estado real de nossas mentes é descoberto, e ele se manifesta se temos ou não um ardente amor a Deus e ao Seu serviço. Isto é válido tanto do culto público e da família. No entanto, não é de todo difícil comprovar a obrigação da piedade doméstica.

Consideremos o primeiro exemplo de Abraão, o pai dos fiéis e o amigo de Deus. Foi por sua piedade doméstica que recebeu a bênção do próprio Jeová, “Porque eu o escolhi para que ordene a seus filhos e a sua casa depois dele, a fim de que guardem o caminho do SENHOR e pratiquem a justiça e o juízo; para que o SENHOR faça vir sobre Abraão o que tem falado a seu respeito”(Gên. 18:19). O patriarca é aqui elogiado por instruir seus filhos e servos no mais importante de todos os direitos, “o caminho do Senhor” a verdade sobre Sua gloriosa Pessoa.


Suas reivindicações e seus requisitos estão sobre nós. Note bem as palavras “escolhi para que ordene a seus filhos”, ou seja, ele iria usar a autoridade que Deus lhe havia dado como pai e chefe de sua casa, para fazer cumprir os deveres de piedade familiar. Abraão também orava bem como para instruir sua família, onde quer que ele armasse sua tenda, lá ele construía um altar ao Senhor (Gên. 12:7; 13:4).

Agora, meus leitores, bem podemos perguntar-nos, Somos “descendência de Abraão” (Gl 3:29), se não fizer as obras de Abraão (João 8:39) e negligenciar o dever de peso que há no culto familiar? A exemplo de outros homens santos que são semelhantes ao de Abraão. Considere a piedosa determinação de Josué, que declarou a Israel: “Quanto a mim e a minha casa serviremos ao Senhor" (24:15).

Nem a alta função que ele tinha, nem as pressões do povo em cima dele, o autorizava a deixar de dar a sua atenção para o bem-estar espiritual de sua família. Mais uma vez, quando Davi trouxe a arca de Deus para Jerusalém com alegria e gratidão, após cumprimento das suas funções públicas, ele voltou para abençoar a sua casa(2 Sam. 6:20).

Além destes eminentes exemplos, podemos citar o caso de Jó (1:5) e Daniel (6:10). Limitando-nos somente um no Novo Testamento, pensamos na história de Timóteo, que foi criado num lar piedoso. Paulo chamou à memória a “fé não fingida” que havia nele, e acrescentou, “a qual habitou primeiro em tua avó Loide e tua mãe Eunice”. É de estranhar então que o apóstolo pôde dizer: “desde sua infância sabes as Sagradas Escrituras” (2 Tm. 3:15)!

Por outro lado, podemos observar que ameaças temíveis são pronunciadas contra aqueles que desconhecem essa obrigação. Gostaríamos de saber quantos dos nossos leitores têm considerado seriamente a “Derrama a tua indignação sobre as nações que não te conhecem e sobre os povos que não invocam o teu nome”; estas palavras são inspiradoras (Jr 10:25)! Quão indizivelmente solene é descobrir que as famílias sem oração são aqui juntamente com os pagãos que não conhecem o Senhor.

No entanto, precisamos que nos surpreendem? Ora, há muitas famílias pagãs que se unem em adoração a falsos deuses. E que eles não colocam milhares de cristãos professos em vergonha? Observe também que Jeremias 10:25 gravou uma imprecação terrível para ambas as classes da mesma forma: "Derrama a Tua indignação sobre ..." Como essas palavras em voz alta deve falar conosco.

Não é suficiente que oremos como indivíduos privados em nosso lugar secreto, somos obrigados a honrar a Deus em nossas famílias também. Pelo menos duas vezes ao dia, pela manhã e à noite, toda a família deve ser unida a se curvar diante do Senhor, pais e filhos, senhor e servo, para confessar seus pecados, para dar graças pelas misericórdias de Deus, para buscar Sua ajuda e bênção. Nada deve ser permitido interferir com esta obrigação, todas as outras disposições nacionais são para dobrar a ele.

O chefe da casa é o único a conduzir as devoções, mas se ele é ausente, ou seriamente doente, ou um incrédulo, então a esposa iria tomar seu lugar. Sob nenhuma circunstância a adoração em família deve ser omitida. Se quisermos desfrutar a bênção de Deus sobre a nossa família, então deixe seus membros reunirem-se diariamente para o louvor e oração. “Aos que Me honram honrarei” é Sua promessa.

Um antigo escritor bem disse: “Uma família sem oração é como uma casa sem telhado, aberta e exposta a todas as tempestades do céu.” Todos os nossos confortos domésticos emitem as misericórdias temporais da misericórdia do Senhor, e o melhor que podemos fazer em troca é agradecer, juntos, Sua bondade para conosco, como uma família. Desculpas contra a quitação do dever sagrado está em forma ociosa e inútil.

O que adianta é o que vai dizer quando prestar contas a Deus pela mordomia de sua família e dizer que não tinha tempo disponível, pois trabalhava arduamente da parte da manhã até a noite? O mais premente de nossos deveres temporais, é a maior de nossas necessidades é a de buscar o socorro espiritual. Nenhum cristão pode alegar que não está qualificado para tal obra, “dons e talentos são desenvolvidos com o uso e não por negligência”.

O culto familiar deve ser realizado com reverência, sinceridade e simplicidade. É então que os mais pequenos irão receber as suas primeiras impressões e formar suas concepções iniciais do Senhor Deus. Grande cuidado deve ser tomado para que uma falsa idéia seja lhes dada do caráter divino, e para isso o saldo deve ser preservado entre residir em Sua transcendência e imanência, Sua santidade e Sua misericórdia, Seu poder e Sua ternura, Sua justiça e Sua graça.

Adoração deve começar com algumas palavras de oração, invocando a presença e a bênção de Deus. A curta passagem de Sua Palavra deve seguir, com os respectivos comentários breves. Dois ou três versos de um salmo pode ser cantado. Fechar com uma oração de compromisso para as mãos de Deus. Embora não sejamos capazes de orar eloquentemente, devemos orar sinceramente. Prevalecendo, as orações são geralmente breves. Cuidado para não cansar os jovens.

As vantagens e as bênçãos da adoração em família são incalculáveis. Em primeiro lugar, o culto familiar irá evitar muitos pecados. Isso apavora a alma, transmite uma sensação de majestade de Deus e autoridade, estabelece verdades solene perante a mente, aumenta os benefícios de Deus sobre a casa. Piedade pessoal no lar é um meio mais influente, de Deus enviar sua piedade sobre os pequenos. As crianças são em grande parte criaturas de imitação, amam copiar o que eles vêem em outros.


“Ele estabeleceu um testemunho em Jacó, e instituiu uma lei em Israel, e ordenou a nossos pais que os transmitissem a seus filhos, a fim de que a nova geração os conhecesse, filhos que ainda hão de nascer se levantassem e por sua vez os referissem aos seus descendentes; para que pusessem em Deus a sua confiança e não se esquecessem dos feitos de Deus, mas lhe observassem os mandamentos”(Salmos 78:5-7).

Quanto às condições terríveis morais e espirituais das massas hoje pode ser rastreada até a negligência de seus pais nesta tarefa? Como podem aqueles que descuidam da adoração a Deus em suas famílias buscar paz e conforto nEle? A oração diária no lar é um meio de graça bendito para dissipar aquelas paixões infelizes a que nossa natureza comum está sujeita.

Finalmente, os ganhos de uma família em oração, para nós a presença e a bênção do Senhor. Há uma promessa de Sua presença, que é peculiarmente aplicável a este dever: “Em verdade vos digo que tudo o que ligardes na terra terá sido ligado nos céus, e tudo o que desligardes na terra terá sido desligado nos céus. Em verdade também vos digo que, se dois dentre vós, sobre a terra, concordarem a respeito de qualquer coisa que, porventura, pedirem, ser-lhes-á concedida por meu Pai, que está nos céus. Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, ali estou no meio deles” (Mat. 18:18-20). 

Muitos têm encontrado na adoração em família essa ajuda e comunhão com Deus, que eles procuram e com menos efeito na oração privada.


Seja Edificado

2 comentários:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário!

 

Posts Comments

©2006-2010 ·TNB